EMPREGABILIDADE I – 12 DICAS PARA QUEM ESTÁ COMEÇANDO A VIDA PROFISSIONAL

Você é recém formado? Está à procura do primeiro emprego? Está querendo mudar de área? Procura novos desafios profissionais? Não importa! Você está diante de um momento importante em sua vida e este artigo pretende contribuir para que você tome as melhores decisões.

O tema é EMPREGABILIDADE. Essa palavra esquisita é relativamente nova, mas o seu significado já faz parte da sua vida e talvez você, por desconhecimento ou “falta de atenção” ainda não saiba. Empregabilidade pode ser definida como a sua “capacidade de se empregar”. Ela resume o conjunto de habilidades e competências acumuladas durante a vida e que tem muito valor. O importante é que você possa conhecer quais são elas para oferecer ao público certo, do jeito certo. Claro que não é fácil e é por isso mesmo que raramente as pessoas são contratadas na primeira entrevista, mas seguramente algumas empresas precisam exatamente daquilo que você sabe fazer. O caminho é encontrar essas empresas. No entanto, se você acredita que não sabe fazer nada por que não vê significado em tudo o que já fez ou porque outras pessoas teimam em dizer que você não se preparou o suficiente, você precisa rever seu marketing pessoal e teu networking. Com este sentimento dificilmente conseguirá seguir em frente. Faça pesquisas sobre marketing pessoal, converse com amigos, famíliares que certamente este tema irá ajudar você a se reposicionar.

Se no momento de encontrar um emprego você tiver claramente definido em sua cabeça o que você deseja e o que pretende fazer com as conquistas que vierem como conseqüência, tudo fica mais claro. Já o contrário pode ser desastroso. Imagine você que não abre mão dos finais de semana com amigos e vai trabalhar numa empresa que tem expediente aos sábados e vez ou outra precisa de você aos domingos. Na hora da contratação haverá a alegria da conquista, mas toda semana você terá um momento de desmotivação, achando que a empresa é injusta e desumana e deveria respeitar mais os funcionários. Pior ainda, vai deixar transparecer isso aos seus colegas de trabalho, causando prejuízo a sua imagem. Você ainda pode decidir sair na sexta à noite, extrapolar no horário ou na intensidade da balada e acabar comprometendo a produtividade no dia seguinte. A questão é: Por que não pensou nisso na hora de aceitar a contratação? Por que não perguntou para o entrevistador se a empresa tem expediente aos finais de semana com a coragem de não aceitar o emprego ao saber que eles trabalham aos sábados? Simples! Porque que você precisava de dinheiro e não de realização pessoal ou profissional naquele momento.

Certa vez, conversando com uma jovem que se dizia apaixonada por publicidade e que ia estudar para se tornar uma publicitária (isto significa uma mensalidade alta durante pelo menos quatro anos) tive a curiosidade de perguntar:

- Você gosta de trabalhar muito?
- Sim, claro! Ela respondeu tão rapidamente que resolvi insistir:
- Entenda bem, não estou perguntando se você gosta muito de trabalhar e sim se você gosta de trabalhar “muito”, em grande volume e intensidade?
- Ah claro, desde que seja de segunda a sexta, das 8h00 às 18h00 ta ótimo, ela respondeu!

Onde está o erro? Ela não tinha a menor idéia do que é a publicidade e seus meandros. Simplesmente viu o glamour e o brilho das propagandas na televisão e achou que é um mundo de sonhos. Se há uma coisa que o publicitário nem sempre tem é controle sobre seu “tempo e volume de trabalho”. Quem manda é o Cliente. Você briga e esperneia, mas quem manda é ele. Os contratos são apertados, o tempo escasso, a verba e curta e o Cliente é exigente, sempre, gerando alta pressão no dia a dia! É o perfil da profissão. Eu conheço bem e digo: é uma delícia ser publicitário, mas se você não estiver pronto pra isso, pode se frustrar depois de ter jogado fora anos de estudos e um alto investimento.

Como resolver esta situação? Vamos a pratica. Vou enumerar itens para facilitar sua reflexão:

1)    Pense e repense sobre tudo o que você já fez em sua vida. Avalie o que deu certo e o que não deu e separe bem. Não apague nada. Os erros lhe trouxeram experiência e nem sempre precisam ser escondidos. Seja honesto com você, senão não conseguirá ser honesto com os outros.
2)    Estabeleça o que deseja para sua vida. Sua carreira será um dos pilares de sustentação do seu futuro. “A carreira sustenta a vida! A vida não sustenta a carreira”. Não perca isso de vista.
3)    Defina o que deseja para si. Busque conhecimento. Use os meios digitais, mas não se limite a eles. Faça cursos, participe de eventos, freqüente locais onde aquilo que você deseja acontece. Se gostar do ramo do petróleo, por exemplo, o Pré Sal ta ai e é um prato cheio para você adquirir conhecimento e as fontes de informação são incontáveis. Não precisa dormir em cima disso, mas não deixe o tempo passar, pois não sei se você sabe, ele não volta!
4)    Identifique dentro do teu Networking (rede de contatos) quais pessoas estão ligadas a esta área e que possam lhe dar dicas e orientações de onde encontrar conhecimento. Uma dessas pessoas pode até mesmo ajudar você a encontrar um trabalho, se ela sentir que você está se esforçando. Porém, se entre os seus amigos (reais ou virtuais) não houver ninguém que atue nesta área, você precisa ler a postagem sobre FERRAMENTAS DE NETWORKING – Você usa bem? Ela irá te mostrar que precisa rever seus amigos e como fazer isso. Mas faz isso rápido, pois é fundamental para teu objetivo. Esse e outros links estarão a sua disposição ao final deste artigo.
5)    Pratique a criatividade. Desenhe, rascunhe idéias. Isso vai te ajudar a se certificar se você realmente gosta daquilo ou é devaneio. Com esses rascunhos você começa a reunir material para um bom planejamento de carreira. Se conseguir com muita facilidade é um bom sinal de que está no caminho certo. Aproveite, faça pesquisas e crie algo em prol do seu objetivo. Se possível tenha uma “Idéia Original”. O importante não é conseguir criar a idéia e sim a busca por ela. Você vai aprender muito nesse processo de busca.
6)    Amplie o campo de visão. O segmento que deseja pode ser muito maior do que parece. Tome como exemplo o segmento Automobilístico. As montadoras de veículos apenas “montam” o carro. Por trás delas existem vários setores secundários, terciários que contemplam milhares de empresas diretamente ligadas a produção do carro. Se você limitar sua visão apenas às montadoras, que é quem realmente aparece na mídia e nas ruas, terá apenas meia dúzia de empresas pra trabalhar e suas chances reduzem consideravelmente. Dê atenção também ao que não se vê.
7)    Procure entidades e associações que atuem na área que deseja. Associe-se a elas. A maioria dos sites oferece associação gratuita e elas vão lhe fornecer, através de jornais eletrônicos periódicos, atualização e informações constantes que você precisa saber. Uma dica: digite no Google “Associações”. Você vai se surpreender com o que tem lá e certamente vai achar coisas do seu interesse.
8)    Conheça onde estão as empresas que pertencem ao segmento que deseja trabalhar. Acesse o site dessas empresas, estude, pesquise, leia tudo o que encontrar. Também são fontes de conhecimento fundamentais e nos sites das associações você vai achá-las com facilidade.
9)    Compare aquilo que deseja com a oferta disponível no mercado e que sirvam pra você. Isto também irá lhe ajudar a traçar seu planejamento. Não adianta ter o desejo de trabalhar numa plataforma de petróleo, por exemplo, se você não quiser ou não puder sair da cidade do interior onde você mora. Estou sendo extremista, mas é só um exemplo.
10)                      Encare os desafios que surgirem em sua busca. Lembre-se que nem sempre vamos encontrar um pacote pronto, exatamente do jeito que queríamos. Mesmo com todo o conhecimento que você adquiriu nos estudos, nos eventos dos quais participou, nas conversas com profissionais da área e praticando os passos acima, situações novas e inusitadas vão surgir. O mais importante é que você esteja pronto para encará-las, com peito aberto, cabeça erguida e sem medo, mesmo que isso lhe custe começar “por baixo”. Seu futuro não está na sua entrada e sim na manutenção de seu foco e nas conquistas que terá.
11)                      Compreenda que aquele trabalho que a princípio parece simplório para teu conhecimento ou o nível que atingiu pode esconder por trás de si um grande projeto, um projeto transformador e que projetará teu nome, que é a tua MARCA dentro do segmento. “Nenhum avião é construído se ninguém se sentar na prancheta para projetá-lo, após horas e horas de intermináveis reuniões”. Ninguém lembra disso quanto está voando.
12)                      Vá a luta!

Enquanto pratica tudo o que eu mencionei acima, você pode trabalhar no que for possível, o que estiver a mão, porém tenha claro com você que aquilo é temporário. Se por acaso, num desses trabalhos que chamamos aqui de “temporários”, você se encontrar, se realizar e perceber que há possibilidade de evolução dentro do seu plano, ótimo! Você encurtou um pouco o caminho, mas isso não livra você de praticar algumas das sugestões que dei acima. Senão você não vai sair do lugar!

Agora que você já conhece um pouco mais sobre EMPREGABILIDADE, quer saber como anda a sua? Clique nesse link http://vocesa.abril.com.br/testes/carreira/Como-esta-sua-empregabilidade.shtml e faça o teste. É simples e bem rápido. Não se assuste com o resultado. O mais importante não é o que ele vai dizer e sim o que fazer com o que ele dizer!

Este é o primeiro post de uma série de três sobre esse tema. No próximo post falaremos sobre EMPREGABILIDADE II – 12 dicas para quem já está empregado!

FIDELIZANDO CLIENTES COM A AJUDA DA INTERNET

Atrair um novo cliente para sua empresa é muito mais difícil - e mais caro - do que manter um cliente na carteira através de estratégias de fidelização. E quando falo em fidelizar, incluo a utilização de todos os canais de comunicação disponíveis aos clientes, inclusive a Internet, ainda não devidamente explorada por muitas empresas. 

A Internet é uma importante ferramenta de marketing para a fidelização, pois garante rapidez e flexibilidade na comunicação entre a empresa e seus clientes. Além disso, atrai clientes potenciais: usuários que, quando navegam pelo site, sabem o que procuram, já tendo tomado a decisão de conhecer os produtos e serviços da empresa. 

Essa é uma característica peculiar da Internet. Poucos são os "usuários-borboleta", que voam de site em site à procura do menor preço. Os clientes potenciais querem conveniência e economia de tempo. Na maioria das vezes sabem o que querem e, com o estímulo certo, facilmente entrarão em contato através do site. Isso faz com que a Internet tenha enormes vantagens em relação aos outros canais de comunicação. 

Uma vez iniciado o relacionamento, conhecer esses clientes é tão importante quanto agir continuamente em prol da fidelização, de preferência mais rápido que os seus concorrentes. 

“Nós temos somente duas fontes de vantagens competitiva: a capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que nossos concorrentes, e a capacidade de transformar esse conhecimento em ações, mais rápido que nossos concorrentes”.
Frank Welch

Outra vantagem da Internet é a amplificação do efeito boca-a-boca. É o marketing viral agindo "mouse-to-mouse", através de recomendações por e-mail, fóruns, chat´s e comunidades. 

Mas a fidelização online segue as mesmas regras da fidelização no mundo real: os esforços devem se voltar para o segmento de clientes que interessa à empresa, os clientes fiéis devem receber benefícios de alto valor percebido e todos os canais de comunicação devem estar comprometidos com o processo. A Internet não pode ser uma ilha. A estratégia de fidelização deve ser única em toda a empresa, para que o cliente possa escolher o meio mais adequado para se relacionar. 

A maior parte das empresas em busca da fidelização dos clientes, criaram um site atraente, algumas incluíram vendas online e muitas conseguem transformar visitantes em clientes. Difícil é fazer com que, depois da primeira compra, o cliente retorne ao site para comprar novamente. 
Não basta acrescentar um "ponto.com" depois do nome da empresa para resolver todos os problemas de relacionamento. São tantos sites disputando a atenção e a exclusividade dos usuários que só ganha quem sai na frente - e se mantém à frente. 

Para oferecer aos clientes um mix de experiências tangíveis e intangíveis no ambiente virtual, em busca da fidelidade real, a A.T. Kearney desenvolveu um conjunto de ferramentas para criar a melhor experiência digital para o cliente, os 7C´s: comunidade, conectividade, cuidado com o cliente, comunicação, conteúdo, customização e conveniência. 

Comunidade – Os usuários criam comunidades com interesses comuns na Internet. As empresas devem descobrir como participar dessas comunidades e como fornecer, a seus próprios visitantes, informações especializadas, permitindo que interajam com outros visitantes (bate papos, chat’s e fóruns). O objetivo é criar uma experiência significativa para que os membros das comunidades retornem ao site e permaneçam por mais tempo. 

Conectividade – A conectividade ocorre em duas formas: entre sites e entre o cliente e o site. A primeira está ligada a conectar os usuários a outros sites. Os usuários gostam de explorar links relevantes aos seus interesses. A conectividade entre o cliente e o site está relacionada ao poder de atração do site e aos incentivos ao retorno, como benefícios de alto valor percebido, conquistando aos poucos sua fidelidade. 

Cuidado com o cliente – Os clientes gostam de receber atenção – mas não demais. Segurança, privacidade e suporte ao cliente, em todas as etapas do relacionamento, são fundamentais para um site de sucesso. As informações confidenciais devem ser muito bem protegidas e sigilosas. Sites que distribuem e-mail dos clientes sem permissão colocam em risco a confiança e a fidelidade. Os clientes devem ter à sua disposição diversas oportunidades e maneiras de serem atendidos – e-mail, telefones, perguntas freqüentes e bate-papo. Devem também ser notificados do andamento de suas solicitações e de qualquer informação que desejarem. 

Comunicação – Os clientes não querem apenas comprar com comodidade; também querem diálogo - bater papo, ter acesso a pesquisas online, enviar e-mails. Todos os e-mails devem ser respondidos. O pós-venda é tão importante quanto a venda em si: envio de novas ofertas, pesquisa de satisfação com a compra, permitir que optem por receber mais informações sobre produtos e serviços relacionados, entre outros serviços de valor agregado. Se sua empresa ainda não vende pela Internet, abra todos os caminhos possíveis para que o cliente entre em contato, tire suas dúvidas e efetue a compra. 

Conteúdo – Os usuários desejam informações completas e atualizadas e muitos produtos à sua escolha, tudo isso apresentado de forma atraente e amigável, objetiva, fácil de usar e que seja capaz de prender sua atenção. Mas não afogue-os em um mar de informação. 

Customização – O conceito de customização em massa deve ser utilizado através da personalização. As empresas devem utilizar informações obtidas com seus clientes para tornar a experiência no site marcante e exclusiva. Os clientes online esperam que o site os conheça e que modifique seu serviço de acordo com suas necessidades e desejos. Muitos sites permitem que os visitantes customizem sua experiência, escolhendo os tipos de informação que querem visualizar.

Da mesma forma, a capacidade de registrar o comportamento de compra dos clientes é que permite criar produtos sob medida que satisfaçam – ou antecipem – suas necessidades. São mais razões para que os clientes retornem continuamente. 

Conveniência – Deixou de ser um atrativo para se tornar item obrigatório. A funcionabilidade (organização lógica) e a acessibilidade (facilidade de acesso às informações) são fatores críticos e podem determinar se um visitante ficará 30 segundos ou 30 minutos em um site. A estabilidade técnica (sem problemas na utilização do site) e os serviços ao cliente também são fatores de sucesso de um site. O não cumprimento de promessas e compromissos assumidos podem ser experiências devastadoras para os clientes - e para sua empresa.

Embora a tradicional estrutura dos 4P´s - produto, preço, promoção e praça - ainda forneçam uma proposta de valor tangível, não basta para criar um website vitorioso e fidelizar os usuários. Mas as empresas devem se certificar de que haja continuidade entre os 4P´s e os 7C´s, estabelecendo uma ponte entre os mundos real e virtual. Manter o objetivo de oferecer uma excelente experiência online, combinando seleção, disponibilidade e conveniência, é garantia de satisfação e fidelidade.

Cristina Moutella é MBA em e-Business pela FGV. Consultora de Marketing e e-Business. Sócia-diretora da F&C Consultoria. e-mail: moutella@iis.com.br.

Colaboração do site: http://www.gerenciadordevendas.com.br/

PROGRAMAÇÃO - PALESTRAS GRATUITAS

Este mês vou realizar duas palestras na Baixada Santista e ainda existem algumas vagas. Se desejar participar, envie seu email com nome e a cidade que deseja para jukaoliveira@jmax.com.br.  Os temas serão:
  • Marketing Pessoal - A sua imagem para o Mercado de Trabalho
  • Empregabilidade - Sua Capacidade de se Empregar
  • Redes Sociais e sua Carreira - Como utilizar bem e obter Resultados Positivos

FATEC de Praia Grande - dia 19/05 às 16h40 - Praça 19 de Janeiro, 144 - Boqueirão
FATEC de Santos - dia 20/05 - às 9h30 - Av. Bartolomeu de Gusmão, 110 - Aparecida

Será um prazer recebê-lo mas seja rápido. As vagas são limitadas!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Alguns vídeos sobre motivação, atendimento, liderança e mais!!!

Loading...